As reflexões de três mulheres no centro dos trabalhos do C9

A sessão de trabalho de dois dias do Conselho de Cardeais, que terminou nesta terça-feira, concentrou-se na segunda-feira no papel das mulheres na Igreja e nesta terça na questão da proteção de menores. Cardeais Ambongo e Gracias: há muitas possibilidades para o desenvolvimento da liderança das mulheres na Igreja. Próxima reunião agendada para dezembro.

Uma reflexão não “sobre as mulheres”, mas “com” as mulheres sobre o seu papel na Igreja. Esse é o tema que caracterizou a reflexão do Conselho de cardeais, especialmente na segunda-feira, no primeiro dos dois dias de trabalho que terminaram nesta terça-feira, quando uma religiosa e duas professoras universitárias intervieram com uma série de discursos diante do Papa e dos cardeais do C9.

Ouça e compartilhe

Uma religiosa e duas professoras

A Sala de Imprensa vaticana, em um comunicado emitido no final da tarde deste 18 de junho, informou que as palestrantes de segunda-feira foram a irmã Linda Pocher, que introduziu os discursos, seguida por Valentina Rotondi, professora da SUPSI, em Lugano, e pesquisadora do Departamento de Sociologia e do Nuffield College da Universidade de Oxford e do centro NeuroMI da Universidade Bicocca de Milão, e Donata Horak, professora de Direito Canônico no Estudio Teológico Alberoni de Piacenza, afiliado à Pontifícia Universidade Angelicum.

As palestrantes convidadas

Rotondi na sua fala – lê-se na nota vaticana – “destacou uma visão da economia como cuidado e boa gestão no contexto de uma profunda relação intergeracional”, enquanto Donata Horak apontou “várias antinomias, como justiça e misericórdia, poder consultivo e poder deliberativo, princípio hierárquico e eclesiologia de comunhão, democratização e modelo monárquico, no contexto de uma reflexão mais ampla sobre o Direito Canônico”.

Ambongo: há uma maternidade na Igreja que deve ser valorizada

Os discursos também suscitaram considerações dos cardeais presentes e dois deles, ao final da reunião do C9, quiseram destacar à mídia do Vaticano alguns aspectos que surgiram sobre o assunto durante o Conselho. O cardeal arcebispo de Kinshasa, Fridolin Ambongo Besungu, lembrou que na segunda-feira foi a quarta vez que se realizou uma discussão sobre o papel da mulher na Igreja. “Nas nossas igrejas, mais da metade das pessoas que participam das celebrações são mulheres”, mas quando vemos as responsabilidades que elas têm, “elas são poucas”, observou ele. Depois de todas essas reuniões, afirma, ficou claro para nós que essas responsabilidades devem crescer, mas, ressalta, não em um sentido “militante”, mas apenas porque, como diz o Papa, “a Igreja é mulher” e há uma “maternidade” que deve ser valorizada na comunidade eclesial.

Gracias: a liderança feminina tem muitas oportunidades de desenvolvimento

O cardeal Oswald Gracias, arcebispo Metropolitano de Bombaim, concorda com a importância de um papel que precisa ser ampliado. “Venho da Índia e, em algumas áreas, as mulheres têm pouca importância, são de ‘segunda classe’, e por essa razão a Igreja está trabalhando” para dar a elas “a posição correta na família, na sociedade, na política”. Na Igreja, no próprio Direito Canônico, “há muitas possibilidades” para um perfil de liderança feminina na Igreja, e minha experiência me mostrou “muitas vezes” que as mulheres foram capazes de abordar questões com um “ponto de vista que os homens não haviam considerado”. E tenho “grande esperança” de que isso se desenvolva.

No C9 também a proteção dos menores e as crises no mundo

Esta terça-feira, o segundo e último dos trabalhos do C9 em junho, continuou com os relatórios do cardeal O’Malley dedicados, explica a nota da Sala de Imprensa vaticana, “sobre às perspectivas abertas pelo trabalho da Comissão para a Proteção de Menores na área de safeguarding” e do mesmo cardeal Gracias, que se aprofundou “na atividade e no modo de operar das conferências episcopais”.

Por fim, foi dado espaço “às situações nas diferentes áreas do mundo de onde vêm os cardeais do Conselho, com atenção especial aos conflitos em andamento”. A próxima reunião do Conselho será realizada em dezembro de 2024.

(inf: Vatican News)