Habitação. Taxa de juro cai em fevereiro pela primeira vez em dois anos

Em fevereiro, o capital médio em dívida para a totalidade dos créditos à habitação subiu 368 euros face ao mês anterior, fixando-se em 65.158 euros.

A taxa de juro implícita dos contratos de crédito à habitação diminuiu em fevereiro pela primeira vez desde março de 2022, recuando 1,6 pontos percentuais para 4,641%, divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira.

“A taxa de juro implícita no crédito à habitação desceu para 4,641%, valor inferior em 1,6 pontos base face ao registado no mês anterior, sendo a primeira descida registada desde março de 2022”, refere o INE.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro desceu pelo quarto mês consecutivo, passando de 4,315% em janeiro para 4,197% em fevereiro (-11,8 pontos base).

Para o destino de financiamento aquisição de habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos desceu pela primeira vez desde março de 2022, para 4,606% (-1,7 pontos base face a janeiro).

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro para este destino de financiamento registou a quarta redução consecutiva, diminuindo 11,5 pontos base face ao mês anterior, para 4,182%.

Considerando a totalidade dos contratos, o valor médio da prestação mensal registou a primeira redução desde fevereiro de 2021, fixando-se em 403 euros, menos um euro do que em janeiro, mas mais 81 euros que em fevereiro de 2023, o que traduz uma diminuição mensal de 0,2% (+1,0% no mês anterior).

Do valor da prestação, 248 euros (62%) correspondem a pagamento de juros e 155 euros (38%) a capital amortizado. Em fevereiro de 2023, a componente de juros representava 41% do valor médio da prestação (322 euros).

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação desceu 11 euros face ao mês anterior, para 628 euros em fevereiro de 2024, ficando 10,4% acima do mesmo mês de 2023.

Em fevereiro, o capital médio em dívida para a totalidade dos créditos à habitação subiu 368 euros face ao mês anterior, fixando-se em 65.158 euros.

Já para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio em dívida foi de 124.216 euros, menos 994 euros do que em janeiro.

(inf: Rádio Renascença)