“Enterro do Senhor” em Castelões, Vale de Cambra

Uma forma muito especial de viver a Sexta-feira Santa

Em São Pedro de Castelões (Vale de Cambra), o Enterro do Senhor é uma tradição que acontece desde tempos imemoriais e constitui um momento de grande intensidade na prática religiosa da população, que nele participa com uma emoção especial.

Este ano, a Sexta-feira Santa começará com a oração de Laudes, às 9h30m. A procissão sairá logo após a Solene Celebração Litúrgica da Paixão do Senhor, que inicia às 15h00m.

A tradição deste dia:

No coração da Semana Santa, na Sexta Feira da Paixão, encontramos em São Pedro de Castelões uma forma especial de oração – uma caminhada, em ritmo comovente, acompanhada pela Banda Musical Flor da Mocidade Junqueirense e repleta de quadros vivos que evocam a vida pública de Jesus, os apóstolos que O acompanhavam, os milagres que realizou, a ternura e o olhar atento de Maria… e tantas e tantas personagens bíblicas representadas pelas crianças e jovens da paróquia, que aderem em grande número a esta procissão.

Nesta recriação de Histórias antigas – mas que continuam a interpelar-nos neste presente, no mundo em que vivemos – podemos participar numa manifestação de Fé impressionante, um momento de interiorização deste sublime ato de Amor e de entrega de Jesus Cristo.

As raízes deste evento perdem-se no tempo – mas a verdade é que, em São Pedro de Castelões, o Enterro do Senhor é uma tradição que continua a conquistar o coração de pessoas de todas as idades. Os mais velhos guardam na memória a cerimónia que antigamente era concelebrada por vários sacerdotes, que acorriam à nossa freguesia durante a Semana Santa e acompanhavam a cerimónia religiosa com cânticos alusivos ao momento. Nesse tempo, era a Irmandade da Senhora do Carmo que presidia à organização. De um modo geral, essas pessoas recordam os “grandes pregadores” que vinham de fora e faziam sermões extremamente emotivos, que levavam às lágrimas o auditório mais sensível. Permanecem na memória coletiva o som das matracas, o coro masculino que entoava as músicas de tom fúnebre e introspetivo, as palavras ouvidas na Igreja e os gestos piedosos de quem descia Cristo da Cruz (uma imagem de Jesus Cristo em tamanho natural, de braços articulados que se estendem, mas que posteriormente pendem ao lado do corpo ferido, retirado da sua Cruz…).

Este ano:

Hoje, as crianças e jovens continuam a aderir com entusiasmo. Essa adesão voluntária e empenhada é confirmada pelo elevado número de figurantes que, este ano, na próxima Sexta-feira Santa, vão representar as cenas bíblicas – mais de duas centenas de crianças, adolescentes e jovens vão surgir vestidos a rigor, para melhor fazerem reviver esta tradição cristã da nossa paróquia. A procissão contará também com estudantes universitários, devidamente trajados, que farão a “guarda de honra” aos andores.

A música também estará presente, não só através da Banda de Junqueira, como já referimos, mas também graças ao Coro Paroquial que se tem preparado com toda a dedicação. Poderemos ainda escutar o Canto de Verónica, entoado por quatro vozes femininas que recuperaram esta tradição segundo a melodia que era usada na paróquia. Tudo isto acompanhado pelo som das matracas, que marcam o passo compassado e meditado da multidão que segue a procissão.

Destacando outros momentos:

A 23 de Março, às 21 horas, haverá um concerto pelo Coro do Mosteiro de Grijó, na Igreja Matriz.

No dia 24 de março, Domingo de Ramos na Paixão do Senhor, às 15h00m, poderemos participar na bênção e procissão de Ramos a partir da Capela do Mártir São Sebastião, com Eucaristia solene na Matriz.

Na quarta-feira à noite, dia 27 de março, haverá Via Sacra às 21 horas, dinamizada pelo Setor Juvenil do Movimento da Mensagem de Fátima.

No seio do Sagrado Tríduo Pascal, destacamos ainda a Missa da Ceia do Senhor, na Quinta Feira Santa às 21h30m. A Vigília Pascal acontecerá no Sábado Santo às 21h30m e, no Domingo de Páscoa, a saída da Visita Pascal será após a Eucaristia das 08h00m.

(inf: Prof. Graça Sousa)