Papa afirma que os abusos sexuais na Igreja são “uma monstruosidade”

Sobre a Jornada Mundial da Juventude 2023 Francisco declara que “o Papa vai”. “Eu penso ir. Vai Francisco ou João XXIV” – assinala sorrindo.

Numa entrevista exclusiva a um órgão de comunicação social português, o Santo Padre reafirmou que os abusos sexuais na Igreja Católica são “uma monstruosidade”.

Respondendo às questões da jornalista Maria João Avillez, num trabalho exclusivo da TVI e da CNN Portugal no Vaticano, divulgado no domingo e na segunda-feira, dias 4 e 5 de setembro, Francisco voltou a repetir a sua política de “tolerância zero” para com os culpados de crimes de abuso sexual.

“Um sacerdote não pode continuar a ser sacerdote se é abusador. Não pode. Porque é doente ou um criminoso” – afirmou o Santo Padre. Para Francisco “o sacerdote existe para encaminhar os homens para Deus e não para destruir os homens, em nome de Deus. Tolerância zero. E não se pode parar, nisso” – frisou.

“Eu sofro com casos de abuso que me apresentam. Sofro, mas é preciso enfrentar isso” – disse ainda o Papa.

Na entrevista, o Papa Francisco citou um encontro recente com uma delegação do Brasil que lhe forneceu dados atualizados sobre este tema dos abusos sexuais na Igreja.

Revelando que segundo esses dados que lhe foram entregues os abusos na Igreja serão cerca de 3% do global, o Papa recusou a ideia de que o celibato sacerdotal influencie nesse tipo de comportamento:

“O abuso é uma coisa destrutiva. Humanamente diabólica. Porque nas famílias não há celibato e também acontece” – disse o Santo Padre clarificando ainda mais a sua posição: ““Não nego os abusos, mesmo que fosse um só, é monstruoso”.

Entretanto, respondendo a uma pergunta sobre a Jornada Mundial da Juventude que terá lugar em Lisboa de 1 a 6 de agosto de 2023, o Papa Francisco declarou sorrindo: “Eu penso ir. Vai Francisco ou João XXIV. Mas o Papa vai”.

RS