Eslováquia: Papa desafia Europa a olhar para lá do lucro, no pós-pandemia

Foto: Lusa/EPA

O Papa disse hoje em Bratislava que a União Europeia tem de olhar para lá do “lucro”, no pós-pandemia, sublinhando necessidade de solidariedade e fraternidade na aplicação dos Planos de Recuperação.

“Corre-se o risco de se deixar levar pela pressa e a sedução do lucro, gerando uma euforia passageira que, em vez de unir, divide. Além disso, num mundo onde todos estamos interligados, onde todos habitamos uma terra do meio, a mera recuperação económica não é suficiente”, declarou, no Palácio Presidencial da Eslováquia, país onde chegou este domingo, no contexto da sua 34ª viagem apostólica, iniciada em Budapeste.

Francisco deixou votos de que a Europa se destaque por “uma solidariedade que, ultrapassando as suas fronteiras, possa colocá-la de novo no centro da história”.

“Precisamos de fraternidade para promover uma integração de que há cada vez mais necessidade. Sente-se a sua urgência atualmente, num momento em que, depois de meses muito duros de pandemia, se prognostica – embora com muitas dificuldades – o tão almejado recomeço económico, favorecido pelos planos de retoma da União Europeia”, acrescentou.

O Papa falou da pandemia como a “provação” dos dias de hoje, que exige unidade para construir o futuro.

Francisco foi recebido no Palácio Presidencial de Bratislava pela chefe de Estado, Zuzana Caputová, para a cerimónia oficial de boas-vindas, seguindo-se a tradicional visita de cortesia.

Após a audiência privada, a cerimónia prosseguiu no jardim do edifício, onde se reuniram representantes das autoridades eslovacas, líderes religiosos, da sociedade civil e membros do corpo diplomático.

O Papa mostrou-se feliz por esta viagem ao “coração da Europa”, ponto de encontro entre o Cristianismo ocidental e oriental, por onde passaram diversos povos, durante séculos.

“Esta história convida a Eslováquia a ser uma mensagem de paz no coração da Europa. Assim o sugere a grande faixa azul da vossa bandeira, que simboliza a fraternidade com os povos eslavos”, declarou.

Francisco desejou que a herança cristã neste território alimente sentimentos de fraternidade, inspirados nas figuras dos santos irmãos Cirilo e Metódio (século IX), que “ainda hoje unem as diversas Confissões desta terra”.

A intervenção elogiou as expressões da hospitalidade eslava, simbolizadas na oferta de pão e sal, em sinal de boas-vindas.

“O pão, cuja fração evoca a fragilidade, convida-nos de forma particular a cuidar dos mais frágeis. Que ninguém seja estigmatizado ou discriminado. O olhar cristão não vê nos mais frágeis um peso ou um problema, mas irmãos e irmãs que devem ser acompanhados e defendidos”, precisou Francisco.

O Papa desafiou os responsáveis políticos a promover uma Justiça que “nunca se deixe comprar”, promovendo uma “luta séria contra a corrupção”.

O discurso destacou ainda a importância do trabalho para que ninguém se sinta marginalizado e se veja “constrangido a abandonar a família e a terra de origem à procura de melhor sorte”.

Francisco alertou para a situação de muitos jovens europeus, “cansados e frustrados”, convidando a rejeitar a “superficialidade do consumo e do lucro material”.

Já a presidente Zuzana Caputová destacou as mudanças no pós-comunismo que se vivem na Eslováquia, agora inserida na União Europeia, e elogiou o papel do Cristianismo na identidade cultural do país.

(inf: Agência Ecclesia)