Tribuna do Leitor: uma mensagem de D. João Miranda

Li o testemunho de João Manuel, que não conheço, testemunho escrito em 1 de dezembro e que agora foi publicado na edição de 6 de janeiro do jornal diocesano. A morte de um e de outro obedeceram àquilo que os romanos descreviam como a passagem do Letes, o rio do esquecimento. De facto, a nossa tendência – sobretudo nos tempos que passam – é ESQUECER os que partiram.

Não me alongarei, mas reconheço que quer um, como Pároco, quer outro como Bispo afetuoso, sensível, com o dom da PALAVRA que enchia o “Palácio de Cristal”, foi desterrado da sua diocese e regressou depois, estão agora na paz de Deus. Mas sempre se repete que o presente e futuro não podem esquecer de vez o passado. Diz-se de cada um e mais ainda daqueles que deixaram marcas na pastoral e vida da Igreja…

Recordo-os, cada um a seu modo, em circunstâncias diferentes de vida e saúde, muito antes e recentemente nesta CASA SACERDOTAL por onde passaram em horas de convívio e depois de sofrimento, mas Pastores da Igreja que agora estão na LUZ de Deus. Roguem por nós, nesta hora de pandemia, apesar de o nosso caminho de mais idosos estar a encaminhar-se ao seu encontro na CASA do PAI.

Bem-haja o João Manuel por ter despertado as mentes dos leitores que os conheceram e agora os recordam aos seus coetâneos e às novas gerações, com saudade.

D. João Miranda, bispo auxiliar emérito do Porto