“Fratelli tutti”. Bispo do Porto valoriza o papel das religiões na “recuperação da fraternidade”

Foto: Rui Saraiva

Em entrevista à Agência Ecclesia, D. Manuel Linda comenta a nova Encíclica do Papa Francisco como sendo “profundíssima” e com uma “linguagem que toda a gente entende”.

O bispo do Porto comentou a Encíclica do Papa Francisco “Fratelli tutti”, “Todos irmãos”, em entrevista à Agência Ecclesia. Para D. Manuel Linda a nova Encíclica, que trata da fraternidade e da amizade social, é “profundíssima” e com uma “linguagem que toda a gente entende”.

O bispo do Porto refere que o documento é um “desafio” no qual as religiões têm um papel a cumprir, precisamente na “recuperação da fraternidade”: “O cristianismo, o judaísmo, o islamismo, as religiões orientais, todas, senão conseguirmos dar as mãos, a fraternidade continuará a eterna desconhecida” – refere D. Manuel Linda.

Para o bispo do Porto há “uma base comum” para as religiões se encontrarem, “para solidificarem os laços da sua união e para intervirem no mundo”. Destaca temas nos quais existe acordo entre as religiões, tais como, “a preferência da vida em relação à morte, a preferência da justiça em relação à injustiça, a preferência do amor em relação à guerra”.

Recordemos que D. Manuel Linda decidiu promover, recentemente, a criação de uma Comissão Diocesana para o Diálogo Inter-Religioso.

Segundo o bispo do Porto, para compreendermos melhor a importância da fraternidade na atualidade, devemos atender a dois acontecimentos históricos: a revolução francesa em 1789 e a queda do Muro de Berlim em 1989.

A primeira como que “guilhotinou a fraternidade” – diz D. Manuel Linda – e “ao longo de 200 anos, a liberdade competiu com a igualdade”.

Entretanto, aquando da queda do Muro de Berlim havia “dois blocos em contenda”, “o bloco de leste” que se baseava no “igualitarismo da revolução soviética” e o bloco do ocidente libertário” – afirmou.

“Como ganhou o do Ocidente, a igualdade não contava nada, a justiça social não conta nada, e ficou apenas uma liberdade vaga” – assinala o bispo do Porto.

Desta forma, D. Manuel Linda realça que na nova encíclica “Fratelli tutti”, o Santo Padre chama “a atenção que sem a fraternidade, quer a liberdade, quer a igualdade são ideologias”.

RS