Confiar no Céu, agir na Terra

Por Joaquim Armindo

No mês de fevereiro de 1974, num dos números da “Voz Portucalense”, as páginas centrais publicavam uma reportagem sobre uma redonda, organizada pela Comissão Dinamizadora do Jornal esboço, em que participaram o Bispo D. Luís Pereira (Igreja Lusitana), Rev. Dimas de Almeida (Igreja Presbiteriana) e Frei Bernardo Domingos O.P. (Igreja Católica Romana), moderados pelo Rev. Padre Rui Osório. De acordo com o Relatório n.º 89/74/DI – CONFIDENCIAL, de 10/2/1974, assinado por um agente da Direção Geral de Segurança – do qual se sabe o nome -, deu conta do decorrer da mesa redonda e que terminou 00H30, do dia seguinte. Ou seja, uma comissão que tentava revitalizar a pró-revista “esboço” dos Jovens da Igreja Lusitana de São João Evangelista – Torne, estavam a ser seguidos em todas as suas realizações.

A pró-revista “esboço”, policopiada, com uma tiragem de 1 000 exemplares, que se publicava no seu terceiro número, tinha sido proibida, pela Comissão de Censura, em maio de 1970, e de ser distribuída, pelos CTT. Embora sendo da Igreja Lusitana, este grupo de jovens, conhecido como “Jovens do Torne”, tinha no seio das suas realizações de todo o tipo, jovens católico romanos, metodistas e aqueles que não era nada, sendo que uma parte substancial pertencia à Igreja Lusitana e sabiam confiar no “Céu”, agindo na “Terra”. Alguns desses jovens viram-se compulsivamente integrados na “tropa” e enviados para as colónias portuguesas. O número proibido, faz agora 50 anos, tinha por tema principal o “Ano Internacional da Educação”, que, também, este ano comemora 50 anos.

O Solar dos Condes de Resende, de Gaia, a Confraria Queirosiana também em Gaia, a Câmara Municipal de Gaia e o Arquivo Histórico da Igreja Lusitana, não quiseram deixar passar este ano sem comemorar, no âmbito das “Jornadas Europeias do Património – Património – Educação”, pelo que irão realizar no próximo dia 26, pelas 14H30, um colóquio sob o tema “O Esboço:  Património, Educação e Juventude nos anos sessenta”, no qual intervêm o Presidente do Município de Gaia, Eduardo Vitor Rodrigues, e alguns jovens do Torne, de então, como,  além de mim, Gonçalves Guimarães, David Rodrigues, Júlio Castro e António Manuel Silva.

Quem confia no “Céu”, age sempre na “Terra”. Quem não age na “Terra”, não confia no “Céu”.