As bodas de ouro sacerdotais do padre José Sousa e Castro

«Prefiro gloriar-me nas minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo». (2Cor 12)

Numa grande concelebração eucarística, assinalou-se no passado dia 26 de outubro, pelas 19h, o cinquentenário da ordenação presbiteral do Padre José Sousa e Castro, pároco das freguesias de Lomba, Salvador do Monte e Carvalho de Rei, paróquias da vigararia de Amarante. A eucaristia teve lugar no Salão Paroquial de Salvador do Monte, sob a presidência de D. Armando Esteves Domingues, bispo auxiliar do Porto.

O Pe. Castro é natural da freguesia de Santa Cruz do Douro, pertencente à vigararia de Baião. Há 50 anos atrás, no dia 26 de outubro de 1969, havia sido ordenado presbítero, na Sé Catedral do Porto, por D. António Ferreira Gomes, poucos meses depois de este ter regressado do exílio, efeméride que também foi comemorada muito recentemente na nossa diocese. Aquela irrepetível época histórica, profundamente marcada pelo II Concílio do Vaticano, sempre marcou o pensamento e o estilo pastoral conciliar do Pe. Castro, como se pôde vivenciar nesta eucaristia, na sua liturgia bela e simples e na excecional participação dos fiéis, com destaque para o coro interparoquial.

Ao iniciar a celebração em Salvador do Monte, D. Armando lembrou a feliz coincidência de ali ter feito a sua primeira visita pastoral, como bispo e, em particular, como bispo auxiliar do Porto, onde contactou muito de perto com o ministério do Pe. Castro naquelas paróquias. Recordemos que, após uma brevíssima passagem como coadjutor do pároco de São Gonçalo e São Veríssimo, em Amarante, o ministério do Pe. Castro tem sido desde sempre naquelas paróquias, onde se encontra há 49 anos (exceto em Carvalho de Rei, que assumiu mais recentemente, em 2010). Foi esta a ocasião propícia para recordar e comemorar meio século de intensa atividade pastoral, nas paróquias e também na Escola Preparatória de Amarante, onde lecionou a disciplina de EMRC durante trinta e sete anos.

De destacar também a numerosa participação do clero – além do bispo e do Pe. Castro, dezoito presbíteros e dois diáconos – além da assembleia, que tornaram este momento uma expressão de excecional beleza da comunhão e da fraternidade presbiterais, tão necessárias nos tempos de hoje. No final da eucaristia, toda a assembleia presente, dos mais pequenos aos mais velhos, sem exceção, sentiram necessidade de dar um abraço amigo e caloroso ao Pe. Castro, não só para o congratular pelos 50 anos de sacerdócio, como para manifestar o carinho e gratidão pelo seu trabalho como Pastor daquela comunidade de paróquias. Foi visível a emoção sentida pelo Pe. Castro, através do seu «olhar cintilante de menino», de todos conhecido.

A celebração das bodas de ouro sacerdotais do Pe. José de Sousa Castro prosseguirá ainda este próximo sábado, dia 9 de novembro, com a celebração do cinquentenário da missa nova, em Rio de Galinhas, vigararia do Marco de Canaveses (para onde o Pe. Castro foi viver ainda muito novo). O programa constará, a partir das 16h, de um encontro vocacional com a catequese e jovens e de uma eucaristia de ação de graças.

(inf: Filipe Vales e Sandra Teixeira; fotos: Emília Pinto, Foto Navarras)